PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Evangelho do dia

Evangelho do dia: Sexta, 18 de agosto de 2017

Evangelho segundo S. Mateus 19,3-12

«Serão os dois uma só carne»


 


Comentário do dia: Missal Romano


Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns fariseus para O porem à prova e disseram-Lhe: «É permitido ao homem repudiar a sua esposa por qualquer motivo?».


Jesus respondeu: «Não lestes que o Criador, no princípio, os fez homem e mulher e disse: ‘Por isso o homem deixará pai e mãe para se unir à sua esposa e serão os dois uma só carne?’.


Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu».


Eles objetaram: «Porque ordenou então Moisés que se desse um certificado de divórcio para se repudiar a mulher?».


Jesus respondeu-lhes: «Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos permitiu repudiar as vossas mulheres. Mas no princípio não foi assim.


E Eu digo-vos: Quem repudiar a sua mulher, a não ser em caso de união ilegítima, e casar com outra, comete adultério».


Disseram-Lhe os discípulos: Se é esta a situação do homem em relação à mulher, não é conveniente casar-se».


Jesus respondeu-lhes: «Nem todos compreendem esta linguagem, senão aquele a quem é concedido.


Na verdade, há eunucos que nasceram assim do seio materno, outros que foram feitos pelos homens e outros que se tornaram eunucos por causa do reino dos Céus. Quem puder compreender, compreenda».


 


Santo do dia: Santa Helena, mãe do imperador Constantino, +328, Santo Alberto Hurtado Cruchaga, presbítero, +1952, Beata Vitória Rasoamanarivo, +1894.

Evangelho do dia: Quinta, 17 de agosto de 2017

Evangelho segundo S. Mateus 18,21-35.19,1

«Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido»


 


Comentário do dia: São Cipriano


Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou-Lhe: «Se meu irmão me ofender, quantas vezes deverei perdoar-lhe? Até sete vezes?».


Jesus respondeu: «Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.


Na verdade, o reino de Deus pode comparar-se a um rei que quis ajustar contas com os seus servos.


Logo de começo, apresentaram-lhe um homem que devia dez mil talentos.


Não tendo com que pagar, o senhor mandou que fosse vendido, com a mulher, os filhos e tudo quanto possuía, para assim pagar a dívida.


Então o servo prostrou-se a seus pés, dizendo: ‘Senhor, concede-me um prazo e tudo te pagarei’.


Cheio de compaixão, o senhor daquele servo deu-lhe a liberdade e perdoou-lhe a dívida.


Ao sair, o servo encontrou um dos seus companheiros que lhe devia cem denários. Segurando-o, começou a apertar-lhe o pescoço, dizendo: ‘Paga o que me deves’.


Então o companheiro caiu a seus pés e suplicou-lhe, dizendo: ‘Concede-me um prazo e pagar-te-ei’.


Ele, porém, não consentiu e mandou-o prender, até que pagasse tudo quanto devia.


Testemunhas desta cena, os seus companheiros ficaram muito tristes e foram contar ao senhor tudo o que havia sucedido.


Então, o senhor mandou-o chamar e disse: ‘Servo mau, perdoei-te tudo o que me devias, porque mo pediste.


Não devias, também tu, compadecer-te do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’.


E o senhor, indignado, entregou-o aos verdugos, até que pagasse tudo o que lhe devia.


Assim procederá convosco meu Pai celeste, se cada um de vós não perdoar a seu irmão de todo o coração».


Quando Jesus acabou de dizer estas palavras, partiu da Galileia e foi para o território da Judeia, além do Jordão.


 


Santo do dia: Santa Beatriz da Silva, religiosa, +1490, S. Jacinto, presbítero, apóstolo da Polónia, +1257.