PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Mensagem do Papa ao povo do Egipto: um abraço de consolação e encorajamento a todos os cristãos do Médio Oriente

26 de Abril de 2017

Antes de viajar ao Egipto para uma visita de dois dias, a 28 e 29 de abril, o Papa Francisco gravou uma mensagem dedicada ao povo do país e transmitida pela TV egípcia.


O Santo Padre inicia a mensagem a se declarar “com o coração repleto de júbilo e gratidão, virei, dentro de poucos dias, visitar a vossa querida Pátria”.


“Estou verdadeiramente feliz por vir como amigo, como mensageiro de paz e como peregrino ao País que, há mais de dois mil anos, ofereceu refúgio e hospitalidade à Sagrada Família, quando teve de fugir das ameaças do rei Herodes (cf. Mt 2, 1-16). Sinto-me honrado em vir à terra visitada pela Sagrada Família!”, prossegue.


O Papa deseja também que “esta visita seja um abraço de consolação e encorajamento a todos os cristãos do Médio Oriente; uma mensagem de amizade e estima a todos os habitantes do Egito e da Região; uma mensagem de fraternidade e reconciliação para todos os filhos de Abraão, particularmente ao mundo islâmico onde ocupa lugar de destaque o Egito. Faço votos de que possa ser uma válida contribuição também para o diálogo inter-religioso com o mundo islâmico e para o diálogo ecuménico com a venerada e amada Igreja Copto-Ortodoxa”.


“O nosso mundo, dilacerado por uma violência cega, que feriu também o coração da vossa amada terra, precisa de paz, amor e misericórdia; precisa de obreiros de paz e de pessoas livres e libertadoras, pessoas corajosas que saibam aprender do passado para construir o futuro sem se fechar nos preconceitos; precisa de construtores de pontes de paz, de diálogo, de fraternidade, de justiça e de humanidade”, conclui o Pontífice.


 

Programa da visita do Papa ao Egipto

26 de Abril de 2017

O Papa Francisco vai visitar o Egipto, nos dias 28 e 29 de abril de 2017, por três razões: pastoral, pela pequena comunidade católica no País; ecuménica, pelos cristãos coptos-ortodoxos; inter-religiosa, pelos muçulmanos. Explicou o Director da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, para ilustrar o programa da viagem do Papa ao Cairo.


Foi dito ainda que o Santo Padre decidiu não usar uma viatura blindada, mas um carro normal. O Papa vai repousar a primeira noite na Nunciatura, onde, primeiro, receberá um grupo de crianças da Escola Comboniana, no Cairo.


Será “paz” a palavra-chave da décima oitava viagem internacional do Papa Francisco.


Fonte: Comboni.org


 

Piratas voltam a mostrar actividade nos mares da Somália

24 de Abril de 2017

Os piratas retornaram aos mares da Somália, mas “o aumento dos ataques à navegação comercial ainda não constitui uma tendência preocupante”, disseram especialistas.


Os ataques registados recentemente surgem depois de uma pausa de cinco anos na região, onde a pirataria atingiu proporções alarmantes durante o período de 2010 a 2012, atraindo para a região as marinhas dos Estados Unidos e de outras nações para uma forte campanha contra os piratas.


Em conferência de imprensa no Djibouti, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, disse que houve seis ataques de piratas contra navios comerciais vulneráveis nas últimas semanas.


"Nós não estamos prontos para dizer que há uma tendência" segundo o general Thomas Waldhauser, considerando que este aumento de ataques resulta de uma resposta aos efeitos da seca e da fome no Corno de África.


A Marinha Portuguesa participou no esforço de combate aos piratas nos mares da Somália durante vários anos, no âmbito da operação europeia Atalanta que envolveu várias marinhas europeias.

Combonianos 70 anos em Portugal: Os primeiros passos

24 de Abril de 2017

Estava em Viseu um só comboniano italiano, o Pe. João Cotta, desde 22 de Abril de 1947. Com a chegada, a 3 de Novembro daquele ano, de mais três sacerdotes, os combonianos formaram a primeira comunidade em Viseu. Eram todos padres: João Cotta, Ézio Imoli, Ângelo La Salandra e Rino Carlesi.


Dias depois, o bispo senhor Dom José da Cruz Moreira Pinto nomeou-os para trabalhar nas paróquias de Mangualde (P.e Ezio Imoli), Bodiosa (P.e Rino Carlesi) e Canas de Sabugosa (P.e Ângelo La Salandra).


O P. Rino Carlesi, que viria a ser bispo de Balsas, no Brasil, descreveu as primeiras ações apostólicas na diocese de Viseu: «Conheci e fiz amizade com todos os padres de Viseu e redondezas, por causa dos funerais, da pregação, das festas religiosas. Foi o começo da minha vida de cigano, de animação missionária nas paróquias. Depois o senhor bispo levou-me, como seu missionário, para pregar ao povo nas visitas pastorais. Fui pescador de vocações e pregador de missões.»


Em Janeiro de 1948 o grupo alugou uma casa em Viseu e começa a arranjar-se a casa do caseiro.


O segundo grupo de combonianos italianos (um sacerdote e dois Irmãos construtores) veio em Março de 1948.


Passaram pelo Seminário Menor de Fornos de Algodres. No diário da viagem deixaram a seguinte impressão: «Ajoelhámo-nos aos pés da imagem de S. José, no claustro interno do Seminário sentindo tantos motivos para agradecer; pensámos nos nossos futuros seminaristas e agradecemos a S. José por nos ter trazido a esta terra tão rica de vocações.»


A 14 de março, na igreja matriz da paróquia de Ranhados (à qual pertencia a quinta onde se instalaram os combonianos), a chegada deste grupo foi celebrada festivamente com uma eucaristia. Os Combonianos cedo se inseriam na sua comunidade paroquial.


A 1 de junho de 1948 foi lançada a primeira pedra da casa (hoje «casa velha»), com técnicas muito avançadas. O edifício está pronto a habitar em 28 de Junho de 1949. Menos de dois meses depois, a 14 de Agosto, é inaugurada a primeira capela.


Nessa altura, a 27 de Fevereiro de 1949, o P.e João Cotta, que fizera «milagres», com o grande apoio do Bispo de Viseu, D. José da Cruz Moreira Pinto, nos 22 meses em que nesta diocese permaneceu, de 23 de abril de 1947 a 27 de fevereiro de 1949, já havia partido para a Inglaterra.


Em Maio daquele ano, durante a Semana Nacional das Missões, são distribuídos pela diocese 250 cartazes que dão a conhecer o futuro Seminário das Missões e o Instituto Comboniano. Estavam decorridos dois anos cinco meses e dezassete dias depois da chegada do P. João Cotta a Viseu…


A 10 de Outubro daquele ano de 1949, e após uma semana de estágio em Setembro, iniciava-se o 1º ano letivo no Seminário das Missões com 16 alunos no primeiro ano e um no 5º ano, vindo do Seminário Diocesano.


Se no final de 1952 o Seminário atual já estava construído, só em 11 de Dezembro de 1955, ao terminar da nova Capela, foi considerado completo, oito anos sete meses e dezanove dias depois da chegada do primeiro comboniano a Viseu.


Os primeiros combonianos portugueses


Os primeiros sacerdotes combonianos portugueses, tinham passado pelo Seminário Diocesano.


O P. Rogério Artur de Sousa, natural de Sargaçais, Soito, Aguiar da Beira, que, depois de ter feito o seu noviciado e a teologia em Itália, foi ordenado pelo Senhor D. José da Cruz Moreira Pinto , na Igreja do Seminário das Missões em Viseu a 27 de Julho de 1958.


O P. Ramiro Loureira da Cruz, natural de Barbeira, Rio de Loba, Viseu, fez também o noviciado e teologia em Itália e foi ordenado sacerdote na Catedral de Milão pelo Cardeal Montini (futuro Beato Paulo VI) a 14 de Março de 1959.


O primeiro Irmão Missionário Comboniano Português foi o Irmão António Martins, natural de Cepões, Viseu, que fez a sua Profissão perpétua em VN de Famalicão a 9 de Setembro de 1960.


Ao longo destes 70 anos a diocese deu muitas vocações aos missionários combonianos.


Prof. Valente


 


Madrid e Brasília eleitas capitais ibero-americanas da paz

21 de Abril de 2017

As cidades de Madrid, em Espanha e Brasília, no Brasil foram eleitas capitais ibero-americanas da paz. Anúncio foi feito no dia 19 de abril na abertura do 1º Fórum sobre as Violências Urbanas e Educação para a Paz, em Madrid.


Brasília foi escolhida por ganhar destaque com políticas públicas contra a violência, em especial o programa Viva Brasília – Nosso Pacto Pela Vida, que envolve a colaboração entre a comunidade, as polícias e diversos outros órgãos de governo.


“O Brasil é um país muito diverso, mas experiências bem-sucedidas em Brasília podem servir de modelo, como também essa troca de boas práticas políticas entre os países”, disse o Governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg.


Já a Presidente da Câmara de Madrid, Manuela Carmena, ressaltou a ideia de que a "violência é algo que se aprende" e que é necessário "abordá-la através da educação para a paz".


"Selecionamos 400 iniciativas que ensinam habilidades para resolver os conflitos de maneira pacífica", disse Manuela na abertura do fórum.


A mudança climática, a desigualdade, a discriminação, a imigração e a chegada de refugiados foram alguns dos desafios mais urgentes listados pelos participantes do Fórum.

ONU e União Africana juntas pela paz e segurança

21 de Abril de 2017

Na primeira Conferência Anual União Africana – Nações Unidas, António Guterres afirmou que ambos organismos compartilham a visão de que "paz e segurança, desenvolvimento sustentável, direitos humanos e boa governança precisam andar juntos", o que pede melhorias na colaboração.


ONU e União Africana assinaram uma parceria sobre paz e segurança e Guterres lembrou que o mundo observa as mudanças no setor de segurança da África, o que força a revisão das estratégias de paz.


O secretário-geral mencionou como exemplo as operações da ONU e da União Africana na Somália, por meio da missão conjunta Amisom. Para Guterres, o trabalho precisa de um apoio mais forte da comunidade internacional, incluindo mais financiamento.


Outros pontos de interesse comum entre as duas organizações são a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável; combate ao terrorismo e ao grupo islamita Boko Haram, e situações específicas de alguns países: Líbia, Mali, República Centro-Africana, Sudão do Sul e Somália.


António Guterres afirmou que "muito mais do que um continente com crises, a África é um continente com enorme potencial".

África: Mulheres e crianças são o rosto da crise

20 de Abril de 2017

Para a chefe do Fundo de População das Nações Unidas "a face dessa crise é uma mulher com sua criança", a ressaltar ainda que no Sudão do Sul e na Somália “há mais de 200 mil grávidas a serem afetadas”.


Ugochi Daniels participou de um informe a jornalistas em Nova Iorque sobre uma missão de emergência feita por representantes de organizações humanitárias da ONU à Somália e ao Sudão do Sul.


Daniels afirma que devido ao impacto da seca, os homens ficaram para trás nas fazendas, a esperar a chuva e tentar cuidar do gado. A representante disse que são as mulheres que estão a se deslocar, às vezes a andar por muitos dias com seus filhos em busca de assistência humanitária.


A representante da ONU alerta ainda para preocupações relacionadas à segurança dessa população, incluindo o risco de violência sexual.


A representante destacou que "mesmo antes dessa crise, estes já eram países muito difíceis para ser uma mulher".


Segundo Daniels, "no Sudão do Sul uma menina tem probabilidade maior de morrer do parto do que concluir os estudos na escola".

Canonização de Jacinta e Francisco acontece no 13 de Maio

20 de Abril de 2017

A Santa Sé anunciou esta quinta-feira, 20 de abril, que o Papa Francisco presidirá a canonização de Francisco e Jacinta Marto em Fátima, no dia 13 de maio. Os dois pastorinhos de Fátima tornam-se assim nos mais jovens santos não-mártires da história da Igreja Católica.


A decisão sobre o local e data da canonização foi tomada hoje num Consistório Público, reunião formal de cardeais, realizada no Palácio Apostólico do Vaticano.


O Cardeal-Patriarca de Lisboa afirmou que foi "com muita alegria" que recebeu a notícia de que a canonização de Francisco e Jacinta Marto vai ter lugar "na sua terra", em Fátima, a 13 de maio, durante a Peregrinação do Papa.


"Mais viva fica ainda a celeste notícia que aí mesmo nos transmitiram", assinalou D. Manuel Clemente numa mensagem através da rede social Twitter.


A cerimónia vai decorrer durante a Missa da primeira Peregrinação Internacional Aniversária do Centenário das Aparições, presidida pelo Papa Francisco.


A canonização é a confirmação, por parte da Igreja Católica, de que alguém é digno de culto público universal, podendo ser apresentado aos fiéis como intercessor e modelo de santidade.


A festa litúrgica de Francisco e Jacinta Marto ocorre a 20 de fevereiro, dia da morte de Jacinta.

Papa: A nossa fé nasce na manhã de Páscoa

19 de Abril de 2017

Durante a audiência geral desta quarta-feira, 19 de abril, o Papa explicou que “a Ressurreição é o núcleo central da fé. Aceitar que Cristo morreu na Cruz não é um ato de fé; é um facto histórico, crer que ressuscitou o é. Jesus é vivo, é o fulcro do evento. Nossa fé nasce na manhã de Páscoa”.


A Ressurreição provocava discussões na comunidade de Corinto e Paulo queria esclarecê-la aos cristãos. “Jesus morreu por nossos pecados, foi sepultado e no terceiro dia ressuscitou e apareceu a Pedro e aos Doze Apóstolos”, disse o Pontífice.


E concluiu: “O cristianismo nasce aqui. Não é uma ideologia, não é uma corrente filosófica, mas um caminho de fé que nasce com um evento testemunhado pelos primeiros discípulos de Jesus”.


 

Livro: A história dos 70 anos da presença comboniana em Portugal

19 de Abril de 2017

AMARAM, VIVEMOS!


O Livro do Ben Sira termina a evocação do glorioso profeta Elias com um versículo enigmático, um dizer (quase) perdido: «Felizes os que te viram e os que morreram no amor; pois, nós também viveremos certamente» (Sir 48,11).


Este é o ícone bíblico que para mim melhor evoca os 70 anos de história dos combonianos em Portugal: porque os nossos antepassados no Instituto amaram, também nós vivemos. A nossa consagração é energizada e nutrida pelo amor que dedicaram a Jesus Cristo e ao serviço missionário em Portugal e no mundo, a seiva que nos alenta. São «parábolas existenciais» e pontos de referência como no-lo recorda o nº 14 dos Documentos Capitulares 2015.


Revisitar, escrever a história da província não é encenar com trajes da época algum evento medieval tão em moda. A história não se simula ou representa; evoca-se, recorda-se para resgatar a memória, para lançar o futuro.


O Papa Francisco alerta que «a falta de memória histórica é um defeito grave da nossa sociedade». E ajunta: «Conhecer e ser capaz de tomar posição perante os acontecimentos passados é a única possibilidade de construir o futuro» (Amoris Laetitia 193).


Assim, revisitar a história da província portuguesa dos Missionários Combonianos do Coração de Jesus não é tão-pouco embandeirar em arco, pavonear-se no passeio das vaidades.


É celebrar o passado por inteiro, com as suas luzes e sombras, com a sua graça e pecado, com as conquistas e as derrotas para nos inspirarmos e ousarmos caminhos novos de animação missionária, pastoral vocacional de rosto comboniano e governo com a mesma audácia inovadora, generosa, alegre, inserida e próxima dos que nos precederam.


O meu muito bem-haja reconhecido ao P. Manuel Augusto Lopes Ferreira por ter aceitado o convite do Conselho Provincial para aprofundar e escrever a história dos 70 anos da presença comboniana em Portugal.


Durante mais de um ano fez um trabalho aturado e meticuloso de investigação nos arquivos gerais em Roma, nos arquivos provinciais em Lisboa e nos das comunidades. Espirrou com o pó, leu imenso, entrevistou, verificou nomes, datas e factos. Produziu um trabalho persistente e consistente de análise crítica de uma fita do tempo de 70 anos que atravessa momentos históricos, sociais e eclesiais muito contrastantes.


A todos os leitores, sobretudo aos confrades, auspico que esta viagem pelas avenidas da memória comboniana em Portugal sirva de inspiração para gizar caminhos novos de amor missionário.


Somos convocados a amar hoje para que os de amanhã também possam viver o carisma comboniano!


José da Silva Vieira - Jirenna

Portugal: Caminhada jovem a Fátima

03 de Abril de 2017

Vem aí mais uma «Sempábrir», caminhada jovem a Fátima organizada pelo grupo Jovens em Missão (JIM), dos Missionários Combonianos.


O evento, que acontece entre os dias 18 e 22 de julho, está subordinado ao tema «Com Maria, faz caminho» e encerra na Peregrinação da Família Comboniana a Fátima.


Com partida de Coimbra, serão dias intensos cheios de actividades, momentos de silêncio, partilha, oração, convívio e amizade. Calcorreando caminhos e estradas, com a missão no coração, construímos pontes, partilhamos esperanças, anseios e desejos, fazendo experiências únicas da presença de Deus e de partilha com os outros.


Informações


Data: De 18 a 22 de julho 2017


Idade: Jovens a partir dos 16 anos


Inscrições: Até 4 de julho com o P. Jorge Domingues: jovemissio@gmail.com / tel: 916656857 ou na página do JIM.


Programa


Dia 18: Ponto de encontro: Casa dos Combonianos de Coimbra às 19h


Dia 21: Chegada a Fátima


Dia 22 (sábado): Participação na Peregrinação da Família Comboniana – convida a tua família para estar presente

Galeria


Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário