PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Família Comboniana

Voltar ao arquivo de Família Comboniana

As nações caminharão à Sua Luz

 

No dia 18 de Outubro celebrou-se o DIA MUNDIAL DAS MISSÕES. O Santo Padre na sua habitual mensagem, que intitulou "AS NACÕES CAMINHARÃO À SUA LUZ", recorda-nos que "o objectivo da missão da Igreja é iluminar com a luz do Evangelho todos os povos em seu caminhar, na história, rumo a Deus". O Dia Mundial das Missões, bem como todo o mês de Outubro, deveria levar todo o cristão a reavivar a consciência do mandato missionário de Cristo, de fazer discípulos todos os povos.

A missão da Igreja, que é continuação do serviço de Cristo no mundo, é "contagiar de esperança" todos os povos e tem, como meta, a transformação do mundo, "com a proclamação do amor". Para isso é necessário que cada cristão renove o compromisso de anunciar o Evangelho, fermento de liberdade, progresso, fraternidade, união e paz, tendo presente as vastas e profundas mudanças da sociedade actual (Ad Gentes, 8).

Durante o ano que passou, pudemos meditar e contemplar o exemplo, o trabalho e os escritos de S. Paulo, juntamente com S. Daniel Comboni. Estes dois apóstolos, animados pela mesma paixão, ultrapassaram todos os obstáculos que aparentemente impediam a sua actividade evangelizadora. Apaixonados por Cristo, procuraram contagiar com a mesma esperança os povos que contactaram.

Também neste ano, ANO SACERDOTAL, nos é proposto outro grande apóstolo, S. João Maria Vianey, o Santo Cura d'Ars. Ele nos recorda que todo o sacerdote e, poderíamos também dizer, todo o cristão/apóstolo é o amor do Coração de Jesus que contagia toda a humanidade.

O dia dedicado às missões é também ocasião para recordarmos as testemunhas e os anunciadores do Reino de Deus que se encontram em situações de perseguição, que vão desde as torturas, a prisão e a morte, como acontece na China, no Iraque, na Índia, etc. até às mais variadas formas de descriminação social, não só em países muçulmanos, mas mesmo em países ditos tradicionalmente cristãos.

Recorda-nos ainda o Santo Padre que a missão ad gentes é tarefa de todas as igrejas, seja as igrejas antigas, como as de recente tradição. Aqui gostaria de recordar o último Dia Mundial das Missões que passei na R.D. do Congo. Visitei uma capela, onde depois passei a noite e, no Domingo, celebrei noutra capela. Convidei as pessoas a participar, seja na oração pelas Missões, seja na ajuda económica. Esta não ultrapassou os 300 francos congoleses (1/2 euro), um saco de mandioca e uma galinha. Contudo vivi aquele dia mundial, onde não participaram mais de 50 pessoas nas 2 capelas (e nem todas elas eram ainda baptizadas!), como um momento forte de evangelização, colaboração e comunhão com todas as Igrejas do Mundo. Vivi-o com entusiasmo, como se estivesse a celebrar numa igreja repleta de gente, aqui, numa das nossas paróquias.

O Santo Padre termina a sua mensagem, recordando que a Evangelização é obra do Espírito Santo. Sendo Ele o Protagonista da Missão, peçamos-lhe que aumente na Igreja a paixão pela missão: proclamar o Reino de Deus.

 

Padre José Arieira