PJuvenil Multimédia Palavra de Deus Oração em Missão Antigos Alunos

» Favoritos

» Recomendar

» Imprimir

» Fale Connosco

Revista Além-mar Revista Audácia Jornal Família Comboniana Exposição Missionária Virtual Facebook RSS
Indique o seu e-mail:
Utilizador:
Password:
 

Actualidades

Voltar ao arquivo de Actualidades

Iémen: “Quem se aproxima de Cristo, se aproxima também de sua Cruz”

07 de Março de 2016

O Bispo Camillo Ballin, missionário comboniano e Vigário Apostólico para o Norte da Arábia, comentou sobre o assassinato das quatro religiosas e outras 12 pessoas ocorrido no Iémen:


“Quanto mais a Igreja está perto de Jesus Cristo, mais participa de sua paixão. Por isso, o massacre perpetrado por um comando armado na residência para idosos e deficientes confiada aos cuidados das Irmãs de Madre Teresa é também um sinal de que esta Congregação está muito próxima, é Jesus Cristo, porque aquele que se aproxima de Jesus Cristo se aproxima também de sua Cruz. O cristão que permanece longe de Cristo nunca será tocado pela perseguição, mas quem se aproxima de Cristo está envolvido em sua paixão e morte para ser também na glória de sua vitória”, disse o bispo.


Na passada sexta-feira, 4 de março, extremistas armados do autoproclamado Estado Islâmico atacaram o convento da Congregação fundada por Madre Teresa de Calcutá na cidade de Áden, no sul do Iémen e assassinaram quatro irmãs Missionárias da Caridade e outros 12 colaboradores locais da comunidade.


Neste sentido, o Bispo Camillo Ballin convida a olhar para o massacre de Áden à luz da experiência do martírio que acompanha toda a história da Igreja em sua peregrinação.


Com relação à matriz do massacre, o Vigário do Norte da Arábia convida a não olhar para as manipulações daqueles que visam criminalizar todo o Islão indistintamente: “Matar em nome de Deus é uma coisa terrível que nenhum verdadeiro muçulmano pode aceitar. Quem comete esses crimes desumanos são indivíduos dominados por uma ideologia que desequilibra a pessoa humana”.


Como muitas vezes acontece, as histórias do martírio cristão se encontram misteriosamente também com as convulsões históricas fomentadas por confrontos de poder: “Estes atos de violência devem ser ligados ao desequilíbrio produzido na área com o cancelamento de sanções ao Irão que agora tornou-se mais poderoso e aberto. Inclui também nisso a corrida para baixar o preço do petróleo e a luta pela hegemonia na região entre a Arábia que quer preservar seu império wahabita e o Irão que quer restaurar o império persa”, acrescenta o bispo comboniano.


O Papa Francisco descreveu o massacre de Áden como um “ato de violência insensata e diabólica”, e numa mensagem divulgada através do Secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, rezou para que o sacrifício das irmãs e seus amigos e colaboradores “desperte as consciências, provoque uma mudança dos corações e inspire todas as partes a deporem as armas e embarcarem no caminho de diálogo”.


No momento, não se têm informações acerca do paradeiro do sacerdote salesiano Tom Uzhunnanil, que se encontrava na residência atacada. “Parece que foi levado embora, mas isso ainda deve ser confirmado”, declaram fontes oficiais salesianas.

Comentários

Mostrar comentários | Escrever um comentário