Artigos
19 janeiro 2024

Alegria na capela verde

Tempo de leitura: 6 min
O padre José Vieira, missionário comboniano, relata uma jornada missionária na Etiópia, país onde se encontra pela segunda vez, para visitar uma pequena e viva comunidade cristã.
P. José Vieira
Missionário Comboniano
---
O padre José Vieira e duas missionárias da Caridade fotografados junto de uma termiteira durante a viagem que fizeram para visitar a comunidade cristã de Hirbora

 

A comunidade católica de Hirbora fica nos arredores da cidadezinha de Zambaba, a quase três dezenas de quilómetros de Adola, o segundo centro da missão comboniana de Qillenso, na estrada que vai para a Somália.  Os rebeldes do Exército de Libertação da Oromia (OLA na sigla em inglês) – a que o Governo apoda pejorativamente de Chané – estão particularmente activos na área. Devido à insegurança, nos últimos dois anos visitámos a capela apenas quatro vezes.

Conheci Hirbora no primeiro domingo de Novembro, depois de dois anos em Qillenso. Tínhamos agendado os baptismos para o Domingo de Pascoela, mas um ataque do OLA a Zambaba – com o saque do posto de saúde local – levou ao adiamento para 5 de Novembro.

Saí de Adola com o todo-o-terreno lotado: duas missionárias da Caridade (as Irmãs de Santa Teresa de Calcutá), o senhor Sholango (o professor reformado sempre pronto a acompanhar os missionários nas visitas às comunidades), Gammachu (um adolescente que está a ser tratado da tuberculose no hospício das irmãs e que também nos acompanha nas idas às capelas) e um grupo de jovens que queriam conhecer Hirbora ou simplesmente dar um passeio.

A cerca de oito quilómetros de Adola fomos parados no controlo militar junto à capela de Hurre Heto. Todos saímos da viatura para sermos identificados e o veículo revistado. A partir daí, a estrada era uma incógnita para mim! Por isso, tinha alguma preocupação com o que poderia encontrar adiante. As histórias de assaltos, destruição de veículos, sequestros e mortes às mãos dos rebeldes do OLA são comuns.

 

pag45A

A capela verde em Hirbora, na Etiópia, que o padre José Vieira visitou pela primeira vez

 

A estrada enrola-se, qual jibóia gigante de asfalto, pelas colinas verdejantes de campos de teff (o cereal miúdo nativo da Etiópia) ou pastos e através de uma floresta frondosa de árvores autóctones a competirem com pinheiros e eucaliptos por um lugar ao sol. Uma paisagem linda, mas perigosa: os rebeldes usam a densa floresta para organizarem emboscadas na estrada com o fito de extorquir dinheiro e bens aos passantes. Também fazem sequestros para extorquirem avultados resgates.

Finalmente, a capela verde

Hirbora, a capela com a frente de verde pintada, ali está: altaneira, com vistas deslumbrantes para as colinas à sua volta com uma alta coluna, obra das térmitas, de sentinela à sua frente. A pequena capela – luminosa das seis janelas e do reflexo do seu tecto de tecido branco – estava cheia. Mais de quatro dezenas de católicos esperavam a cantar pela minha chegada para celebrarmos a Eucaristia e os baptismos.

Na assembleia estava Haro Waqo. É um dos dois catequistas de Massina – a capela azul – que fica a uns cinquenta quilómetros de Hirbora. Veio por iniciativa pessoal passar algum tempo com os católicos das comunidades à volta de Zambaba para os animar na fé. Perguntei-lhe se queria aproveitar a boleia até Adola. «Fico por aqui mais uns dias» – respondeu, com o seu sorriso habitual. Um lindo exemplo de dedicação missionária.

Fiquei muito edificado com o modo como as pessoas participaram na missa através das respostas seguras e dos cânticos cheios de energia e alegria. Apesar de, em dois anos, ser aquela a quarta vez que celebravam a eucaristia dominical, mostravam pelo seu estar que se reúnem amiúde para celebrar a Palavra, presididos pelo catequista.

Antes da eucaristia, atendi de confissão quem quis, como é prática pastoral no Vicariato Apostólico de Hawassa. A assembleia, entretanto, rezou as orações da manhã e algumas dezenas do terço.

 

pag45B

A comunidade cristã de Hirbora reza na nova capela, enquanto espera a celebração da Eucaristia

 

No início da celebração expressei a grande alegria por finalmente conhecer os católicos de Hirbora depois de dois anos da chegada a Qillenso!

A eucaristia foi celebrada com a calma e alegria que caracterizam as liturgias por estas latitudes. O tempo não é um bem essencial que não se pode desperdiçar. É um estar juntos que se faz e celebra.

Durante a celebração, administrei o baptismo a três adolescentes e cinco bebés. A comunidade cristã continua paulatinamente a crescer. No final da missa, pediram-me para abençoar os rebuçados a ser distribuídos pela petizada.

A minha primeira visita a Hirbora concluiu com uma refeição: injera (o pão local feito com farinha de teff) e um refogado de lentilhas, regados com um refresco. Depois fizemos uma visita guiada pelo terreno da comunidade.

Quando o comboniano mexicano padre Pedro Pablo Hernández pediu às autoridades locais um pedaço de terra para começar o catecumenato, ofereceram-lhe aquele espaço avantajado no alto da colina com vistas sobre Zambaba. A primeira construção foi de paus e capim. Depois construíram a capela actual: de madeira e barro, coberta a zinco, com dois pequenos cómodos atrás do altar.

A viagem de regresso a Adola foi já bem mais descontraída. Como a segurança à volta de Zambaba está a melhorar, decidimos começar a celebrar a eucaristia dominical todos os meses em Hirbora, mantendo a situação sob o radar. A comunidade fiel católica merece essa atenção. E esse risco. 

QUERO APOIAR

 

 alem-mar_apoio

 

Partilhar
---
EDIÇÃO
Março 2024 - nº 744
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.