Artigos
30 julho 2019

«A prisão foi uma escola para mim»

Tempo de leitura: 9 min
É um dos nomes que soa todos os anos como possível Prémio Nobel da Literatura. Esteve preso no Quénia por escrever na sua língua materna. Embora já visite o seu país, continua a viver nos Estados Unidos. Esforça-se por descolonizar o pensamento e defender a igualdade entre culturas e idiomas.
Gonzalo Gómez
---

 

Entrevista ao escritor queniano Ngugi wa Thiong’o

Partilhar
Tags
Artigos
---
EDIÇÃO
Outubro 2019 - nº 695
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.