Artigos
12 agosto 2023

Ao serviço das comunidades beduínas

Tempo de leitura: 5 min
A irmã Lourdes García, comboniana mexicana, está em Israel a trabalhar nas comunidades beduínas de Jahalin, no deserto da Judeia. A escuta das suas necessidades deu origem a ideias e programas de formação e educação, que são postos em prática mediante uma rede de voluntários e colaboradores.
Ir. Lourdes García
Missionária comboniana
---
As irmãs combonianas com um grupo de mulheres da comunidade beduína numa aula de inglês (© Missionárias Combonianas)

 

Assalamu Aleikom («a paz esteja convosco») é a saudação com que somos recebidos sempre que visitamos as comunidades beduínas na Palestina. Embora a palavra «paz» faça parte da interacção quotidiana, a sua vivência continua a ser um anseio que repousa no coração dos nossos irmãos e irmãs. A ameaça constante de deslocação forçada por parte do Governo israelita, bem como a falta de reconhecimento por parte da Palestina, deixam estas comunidades beduínas numa situação de exclusão, precariedade e pobreza extrema.

Presença fraterna

Há doze anos que as Irmãs Missionárias Combonianas trabalhamos nas comunidades beduínas de Jahalin, situadas no deserto da Judeia. Começámos no campo da saúde, depois no campo da educação, com a criação de jardins-de-infância e, em seguida, em cada comunidade, com actividades de formação para as mulheres. O objectivo é melhorar a educação das crianças, para que possam prosseguir os seus estudos e promover a integração das mulheres, a fim de promover a qualidade de vida nas diferentes comunidades.

Tudo isto com a ajuda de diferentes organizações que apoiaram vários projectos. Está a ser criada uma pequena rede que não é apenas intercongregacional, mas também inter-religiosa, para chegar aos nossos irmãos e irmãs mais vulneráveis. Tenho esperança de que possamos viver e trabalhar juntos para o bem comum, unindo forças cada um a partir da sua própria fé, judeus, muçulmanos, cristãos.

A nossa fé é proclamada através de gestos e acções quotidianas, testemunhando os valores evangélicos do acolhimento, do respeito, do encontro e da generosidade que, assim, se tornam uma realidade. Criaram-se laços de proximidade, diálogo, fraternidade e afecto com os nossos irmãos e irmãs muçulmanos.

Vivendo juntos os momentos significativos das suas vidas, pude conhecer, além da sua cultura e tradições, a realidade íntima destas comunidades, as suas dificuldades ou os problemas das mulheres, por exemplo, que casam muito jovens e não prosseguem os estudos ou adquirem outra formação.

O acolhimento que nos dão com a sua alegria, generosidade e simplicidade faz-nos sentir em casa desde o primeiro momento.

Comunicamos em árabe, que aprendemos para poder expressar-nos. Pessoalmente, a minha comunicação ainda é limitada, mas estou muito feliz por partilhar a vida com eles, por aprender com a sua simplicidade e a sua generosidade. Cada vez que os compreendo um pouco mais e quando me apercebo de que eles também conseguiram compreender-me, vejo a graça de Deus a acompanhar-me e a encorajar-me a ser paciente e perseverante, porque sei que através da língua vou conhecê-los melhor.

 

Pag44_A

A irmã Lourdes García, à esquerda com um lenço na cabeça, com um grupo de crianças numa escola; na página anterior, as irmãs combonianas com um grupo de mulheres da comunidade beduína numa aula de inglês (© Missionárias Combonianas)

 

Realidades diversas

Visitamos as comunidades e as famílias para conhecer melhor as suas necessidades e este é um grande desafio. Durante estas visitas, temos observado várias realidades, por exemplo, que as mulheres casam muito novas e já não continuam os estudos ou outra formação. Aparentemente, as famílias dão prioridade aos rapazes; no entanto, estes também não prosseguem os estudos por várias razões, como a falta de meios de transporte, a precariedade económica ou, simplesmente, porque se dedicam a cuidar das ovelhas. Além disso, a grande maioria não sabe inglês ou hebraico, razão pela qual não têm oportunidades de emprego fora do seu meio.

O compromisso missionário continua também com a pequena comunidade cristã de El-Azariyeh, na cidade de Lázaro. É uma pequena comunidade cristã de cerca de dez famílias. Encontramo-nos todos os dias para rezar o terço com as mulheres, para organizar momentos de oração e para visitar os doentes.

É uma realidade complexa e temos consciência de que estamos aqui há pouco tempo e que ainda temos muito a aprender e a conhecer, mas anima-nos um forte desejo de continuar a missão que as nossas irmãs iniciaram há mais de uma década. Era, em suma, o que São Daniel Comboni queria, que façamos «causa comum com os mais pobres e abandonados». A continuidade com a promoção humana, por meio de cursos de formação para mulheres e jovens, é um modo concreto de os tornar protagonistas da sua própria vida.  

QUERO APOIAR

 

 alem-mar_apoio

 

Partilhar
---
EDIÇÃO
Setembro 2023 - nº 738
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.