Opinião
24 janeiro 2020

Ano Internacional da Fitossanidade

Tempo de leitura: 3 min
A prevenção deve estar no centro das considerações fitossanitárias.
Francisco Ferreira
Associação ZERO e Professor no CENSE/FCT-NOVA
---

As Nações Unidas declararam 2020 Ano Internacional da Fitossanidade no quadro dos trabalhos da Convenção Internacional para a Protecção das Plantas, um tratado aprovado na 6.ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) em 1951.

Efectivamente, a produção agrícola é limitada por condições climáticas, mas as alterações em curso e o aumento dramático do comércio internacional ampliaram os riscos de que pragas e doenças invasoras de plantas possam ser introduzidas na agricultura, florestas e ambiente de países longínquos da sua origem e se possam depois estabelecer permanentemente.

Já se observa um aumento das pragas florestais associadas ao aumento da temperatura. Mesmo países desenvolvidos, com sofisticados sistemas de produção e infra-estruturas fitossanitárias, conseguem por si só limitar a propagação de pragas e doenças. Prevenir a disseminação de tais organismos é um desígnio internacional que requer a colaboração de todos os países desenvolvidos e em desenvolvimento, bem como de todas as regiões do mundo.

A prevenção deve estar no centro das considerações fitossanitárias. Quem trabalha na agricultura e na floresta sabe muito bem como lidar com pragas e doenças autóctones. O principal problema são as pragas e doenças exóticas, incluindo as que ainda não chegaram e que podem ter impactos potencialmente devastadores quando introduzidos em novos ecossistemas. São precisamente estas pragas e doenças cuja propagação devemos prevenir. Além de evitar custos brutais com as perdas directas e indirectas causadas, os prejuízos para o ambiente podem ser muito significativos à custa do uso de pesticidas desnecessários se essas ameaças não estivessem presentes. Mais ainda, o tempo despendido no combate é também significativo e tem um custo elevado. Ao impedir a introdução de pragas, não apenas se protege a agricultura e silvicultura, mas também a biodiversidade.

Em Portugal, as pragas e doenças exóticas introduzidas são as que mais prejuízos causam à floresta. O nematode da madeira do pinheiro no final do século passado foi provavelmente o maior problema de fitossanidade que afectou as florestas portuguesas com prejuízos directos associados à mortalidade dos pinheiros, mas também ao impacto da proibição de exportação da madeira. A broca do eucalipto e o gorgulho desfolhador são exemplos que nas últimas décadas têm afectado uma das espécies a que está associado um maior rendimento, o eucalipto.

À escala mundial, a lagarta do Outono, originária das Américas, foi introduzida recentemente na África e depois na Ásia. Só em África os prejuízos atingiram já milhares de milhões de dólares, ameaçando a produtividade agrícola e exigindo que a comunidade internacional e a FAO gastassem enormes quantias de dinheiro para ajudar os países africanos e asiáticos a lidar com o problema.  

QUERO APOIAR

 

 alem-mar_apoio

Partilhar
---
EDIÇÃO
Abril 2020 - nº 701
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.