Opinião
17 novembro 2020

SOS património

Tempo de leitura: 4 min
Alterações climáticas fazem perigar património africano.
José Vieira
Missionário Comboniano
---

As alterações climáticas representam uma ameaça grave para o património material e imaterial da Humanidade edificado pelos africanos em mais de três milénios. O alerta vem da Azonia, uma revista sobre investigação arqueológica no continente.

O estudo Património africano num clima em mudança, publicado em Julho, nota que a comunidade científica não está a dedicar a atenção devida à pressão do tempo sobre o património arqueológico, histórico e vivo, através da subida do nível dos mares e dos episódios climáticos extremos muito mais frequentes e violentos.

O aquecimento global pode aumentar em três graus a temperatura do planeta até ao fim do século, o nível do mar vai subir de um a dois metros e as águas vão alagar 240 metros da orla marítima. Dentro de trinta anos as costas da Gâmbia, Nigéria, Togo, Benim, Congo, Tanzânia e Comores vão sofrer forte erosão devido à subida do Atlântico. Além de afectar o património histórico costeiro, o fenómeno vai obrigar à mudança de milhões de pessoas. Metade da população urbana da África Ocidental vive em cidades à beira-mar.

A pressão da erosão marítima no património já se nota no Mediterrâneo e no Atlântico e ameaça os fortes e castelos construídos nos 500 quilómetros da Costa do Ouro, no Gana, entre os séculos XV e XVIII por Portugal, Espanha, Dinamarca, Suécia, Holanda, Alemanha e Inglaterra para proteger o comércio do ouro, primeiro, e dos escravos, depois.

Um número de cidades muito antigas construídas sobre corais, lama e areia nas costas do Mar Vermelho e do Índico também podem vir a desaparecer. Suakin (com 3000 anos), no Sudão, Lamu (com 700 anos), no Quénia, e muitas medinas das ilhas Comores encontra-se fortemente ameaçadas tal como outros burgos históricos no litoral de Moçambique, Tanzânia e Madagáscar.

Os episódios climáticos extremos (tempestades, chuvas torrenciais, secas prolongadas e ondas de calor) também prejudicam o património por causa das inundações e do aumento da temperatura e da humidade.

Por exemplo, as grandes cheias do Nilo, provocadas pelas chuvas torrenciais, ameaçam as pirâmides de al-Bajrawiya, no Sudão – que têm mais de 2300 anos (na foto). No Mali, a grande mesquita de Djenné, construída em tijolos de barro, também está em perigo. As constantes inundações da planície do rio Bani (um afluente do Níger) estão a estragar a qualidade das lamas usadas no seu revestimento e reparação. A cidade, com cerca de 2000 casas de adobe, começou a ser construída há 2250 anos.

A rica e variada arte rupestre africana, do Sara e Sahel à Namíbia, está prejudicada pelo aumento da temperatura e da humidade nas cavernas onde os antepassados desenharam cenas do dia-a-dia há mais de 2000 anos. Fungos, micróbios e grandes amplitudes térmicas estão a afectar a estabilidade das faces rochosas onde esse património foi pintado ou gravado.

Por seu turno, os incêndios provocados pelas grandes vagas de calor põem em xeque muitos bosques sagrados, florestas protegidas e verdadeiras reservas de biodiversidade e de plantas medicinais espalhadas pelo continente, juntamente com os seus monumentos religiosos.

As próximas décadas serão críticas para a preservação do património africano, tão importante para a identidade cultural dos povos e para a sua economia. 

QUERO APOIAR

 

alem-mar_apoio

Partilhar
---
EDIÇÃO
Dezembro 2020 - nº 708
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.