Aventura da Fé
04 agosto 2022

Os dois alicerces

Tempo de leitura: 3 min
Vai embalar-nos esta noite mais uma história de Jesus!
Vanda Barata
Catequista
---

Lembram-se da história dos três porquinhos? Os dois porquinhos mais imprudentes brincavam enquanto o irmão mais velho trabalhava arduamente para construir uma casa segura. Adicionalmente, este porquinho estava também preparado para ajudar os irmãos… e ajudou-os, pois quase foram devorados pelo lobo, porque as suas casas, construídas sobre alicerces frágeis, foram destruídas por este animal feroz e assustador. Valeu-lhes a casa resistente construída pelo irmão mais velho, onde se abrigaram e por isso não foram devorados pelo lobo faminto.

Nesta parábola, Jesus ensina-nos a manter-nos firmes, alicerçados em Deus. Ele apresenta-nos dois homens que constroem as suas casas de formas diferentes: um edifica a sua casa sobre a rocha e outro, sobre a areia – porque desejava construí-la rapidamente não investindo nessa construção grande tempo e cuidado.

Depois de embalados por esta parábola de Jesus – vamos clicar na hiperligação: https://youtu.be/N6qhTQ3A6ZQ –, quando acordarem saberão como devem edificar a vossa casa espiritual… a vossa vida, para que resista àquelas tempestades que parecem querer levar-nos tudo.

E, agora, vamos definir o desafio para a nossa família.

A construção de qualquer casa começa pelos alicerces… são estes que a vão tornar forte, resistente.

As duas casas referidas na parábola talvez fossem iguais em termos de estética, aparência, forma e conforto, mas o alicerce, que não se via, é que fazia a diferença. Devido a isto e perante uma tempestade, a casa construída sobre a rocha com o alicerce mais forte foi a que resistiu. A casa do construtor prudente manteve-se devido à sua estrutura. A outra casa, porém, ficou em ruínas.

Através desta parábola, Jesus disse-nos que «aquele que escuta estas minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha», e que «aquele que escuta estas minhas palavras e não as põe em prática poderá comparar-se ao insensato que edificou a sua casa sobre a areia» (Mateus 7, 24-26).

Há dois tipos de pessoas que nos são apresentadas por Jesus nesta história: ambos ouvem a palavra de Deus, podem ir à igreja, participar nas atividades eclesiais, ter uma vida cristã. Aparentemente têm muitas semelhanças, porque só vemos as paredes, os telhados e as janelas das suas vidas. O Alicerce está escondido... Um dia, uma tempestade, uma crise, e revela-se a consistência ou inconsistência da sua fé. Nas dificuldades é que os alicerces são revelados, tal como nas casas descritas na parábola.

Quando nos unimos verdadeiramente a Jesus e acolhemos a sua palavra na nossa vida conseguimos suportar as chuvas, as tempestades, porque estamos alicerçados Nele…

O símbolo que esta parábola nos deixa é um tijolo, que lembra a construção. Se tivermos algum em casa podemos ao longo desta semana deixá-lo num local visível para que nos perguntemos: que alicerce usamos na construção da nossa casa espiritual? Somos construtores imprudentes ou construtores insensatos?

Um abraço…e vamos construir a nossa casa sobre a ROCHA!

Partilhar
---
EDIÇÃO
Julho 2022 - nº 609
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.