Aventura da Fé
18 agosto 2022

Os primeiros lugares

Tempo de leitura: 3 min
Esta parábola de embalar engrandece a humildade e define qual o melhor lugar para quem quer ser um verdadeiro amigo de Jesus.
Vanda Barata
Catequista
---

Se tivéssemos vivido na mesma época em que Jesus viveu, teria sido maravilhoso ouvi-lo contar as suas histórias. A Bíblia diz-nos que Jesus gostava muito de estar perto das crianças e de lhes falar.

A história que hoje vamos escutar foi contada durante um banquete num sábado. Neste dia da semana era comum as reuniões sociais à volta da mesa.

Nesta festa, para além da boa comida e das conversas amistosas, Jesus sentiu muita presunção, soberba, orgulho, vaidade… Todos queriam ficar à frente, naquele que achavam ser o melhor lugar. É neste contexto que Jesus conta a parábola dos primeiros lugares.

Para vos embalar, as crianças da paróquia de Santa Maria dos Olivais, Lisboa, narram esta parábola que engrandece a humildade e define qual o melhor lugar para quem quer ser um verdadeiro amigo de Jesus.

Agradecemos ao Rodrigo, ao Henrique, ao Afonso, à Margarida e à Marta a narração da história disponível nesta hiperligação: https://youtu.be/3CU6tPM1HfU

 

E este vai ser o desafio para a nossa família cumprir ao longo desta semana:

Muitas vezes, a humildade é confundida com submissão ou inferioridade. Ser humilde não é submetermo-nos à falta de verdade ou inferiorizarmo-nos… para ninguém dar por nós e vivermos uma vida aparentemente feliz e tranquila, acomodados num cantinho sem nada contestar ou transformar … ficando em silêncio… a assistir à maledicência, à contradição, à falta de verdade… protegidos e confortados pelas palavras «é tão humilde»!

A humildade é a MOTIVAÇÂO e está DENTRO DE NÓS. A motivação para servir não deve ser o reconhecimento ou a visibilidade. Mesmo que a honra e o reconhecimento aconteçam… são uma graça de Deus… não o que motiva a servir. Por aqui passa a humildade!

Somos privilegiados quando servimos com dedicação e altruísmo sem qualquer interesse pessoal a movermo-nos ou a traçar o caminho.

Nesta parábola Jesus também nos alerta para a importância de sentirmos o que nos motiva a participar nos diferentes círculos sociais.

Interagimos com pessoas que precisam de nós e não nos podem recompensar por isso?

O desafio para esta semana é escrevermos o nome de uma pessoa que precise de nós e com a qual não nos identificamos. Procuremos levar-lhe algum bem… através de uma mensagem… de um convite para lanchar… humildemente, despretensiosamente, não por nós… mas por ela!

E com um chi-coração, renovemos o propósito de sermos sempre amigos de Jesus!

Partilhar
---
EDIÇÃO
Dezembro 2022 - nº 613
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.