Igreja
21 setembro 2022

A capela azul

Tempo de leitura: 5 min
O padre José Vieira, missionário comboniano português, conta-nos a experiência da sua visita pastoral a uma comunidade cristã em Massina, na Etiópia.
José Vieira
Missionário Comboniano
---

Ouvia falar de Massina quando ia celebrar a missa à capela de Jalahu, no fundo de um vale apertado junto ao rio Hawata. Missionava em Haro Wato, nos montes Uraga.

Nessa altura, há um quarto de século, Jalahu era um sítio ermo. As pessoas iam ao mercado e ao moinho a Massina, do outro lado do rio. Agora, Massina tem uma capela católica que pertence à zona de Adola, da paróquia de Qillenso.

A aldeia fica a cerca de vinte quilómetros de Adola, metade em asfalto, metade em terra batida. A picada acompanha a margem esquerda do rio Hawata por entre plantações de café, chat – uma planta alcalóide que é legal na Etiópia –, falsas-bananas, árvores de fruto e milharais.

O cenário é de encantar. Há muitas acácias, árvores típicas da savana africana. Os habitantes são amistosos e saúdam a nossa passagem com alegria, sobretudo as crianças.

Quando vivia em Haro Wato, tomei banho várias vezes nas águas límpidas e refrescantes do Hawata, junto à capela de Tuta.

Nesta secção, o rio vai muito sujo devido à prospecção de ouro nas margens e no seu leito.

 

Pag44_A

Um explorador de ouro no rio Hawata

 

Os habitantes locais garimpam usando pás, picaretas e escudelas. Os chineses usam retroescavadoras. Há várias a operar nos cinco quilómetros de rio que acompanhamos para chegar a Massina. A concorrência é desleal e, por vezes, transforma-se em conflito violento.

Na última vez que fui celebrar a Massina, um membro da milícia oromo, a força local que mantém a lei e a ordem, parou-me e perguntou se ia para o ouro. «Não! Vou rezar com as pessoas de Massina», respondi. Mandou-me seguir.

Comunidade cristã viva

A capela está construída num dos extremos da povoação. Foi aberta pelo comboniano mexicano padre Pedro Pablo Hernández. Iniciámos juntos com um colega espanhol a missão de Haro Wato em 1995. Ele desenvolveu a presença católica em Adola e à volta da cidade santa dos Gujis. Chama a atenção, porque está pintada de azul! A minha cor preferida.

Massina é a comunidade católica mais numerosa fora da cidade. Normalmente umas trinta pessoas participam na eucaristia dominical cada seis semanas. A maioria são mulheres. Sempre fiéis ao seu Senhor!

É também uma comunidade muito autónoma. Queriam instalar um sistema eléctrico solar para alimentar os altifalantes e fazer concorrência aos protestantes. Juntaram o dinheiro necessário para comprar um painel solar, uma bateria, o controlador de corrente e o inversor – transforma os 12 volts da bateria em 220 –, o estabilizador, um altifalante externo e uma coluna de som interna.

Enquanto o catequista dirige a oração da manhã e o terço, o padre atende os penitentes de confissão.

 

Pag44_B

O padre José Vieira celebra a Eucaristia com a comunidade de Massina

 

Se por alguma razão nos atrasamos – ou porque a missa em Adola foi mais comprida, ou porque ficámos presos na lama da picada –, o catequista faz a celebração da Palavra.

Depois, a missa é celebrada com calma. Os cânticos são acompanhados pelo tambor e por uma kerara, uma harpa etíope de cinco cordas. A da comunidade é um modelo comercial com cordas de aço, diferente das artesanais com cordas de náilon ou algodão.

A oração dos fiéis é espontânea e muito participada: uns fazem pedidos, outros expressam agradecimentos pelas bênçãos recebidas. Formam uma espécie de retrato oral da vida das pessoas da comunidade.

A missa termina com dois ou três cânticos em que todos participam cantando e dançando.

No final da eucaristia, serviram-nos uma pequena refeição de injera – o pão típico da Etiópia, uma espécie de panqueca gigante feita com farinha de tef, um cereal autóctone do país – com batatas, arroz ou umas papas feitas com tomate. Os anciãos da comunidade tomam parte do repasto. Manda a boa educação que não se coma tudo, porque as mulheres também têm direito ao seu quinhão depois de os homens comerem.

No regresso, é costume cruzarmo-nos com muita gente, sobretudo mulheres, que vêm da celebração dominical de igrejas protestantes ao longo da picada. Cumprimentamo-nos com alegria, porque somos todos irmãos e acreditamos que Jesus ressuscitado é o salvador da criação inteira.

QUERO APOIAR

 

alem-mar_apoio

Partilhar
---
EDIÇÃO
Outubro 2022 - nº 728
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.