Artigos
18 outubro 2019

Procura e crescimento rumo a um caminho

Tempo de leitura: 9 min
O discernimento vocacional é uma procura desafiante que nos permitirá alcançar a plenitude da vocação e ter uma vida realizada, plena e feliz.
Susana Vilas Boas
---

Por estes dias estive a rever o filme À procura de Nemo. Uma história apaixonante de um peixe que perde a sua amada juntamente com as dezenas dos seus filhos. No meio de tanta perda, ele descobre um bebé que sobreviveu: Nemo! Esta história desenvolve-se apresentando os medos do pai em perder o seu único filho, e o desejo do filho de partir para longe “das amarras” do pai. Ao desejo jovem de se arriscar em novos caminhos, contrapõe-se a preocupação do pai que não consegue circunscrever a vida do filho aos lugares “seguros” que estão sob a sua protecção. Nemo ousa partir para longe apesar de todos os intentos do pai em impedi-lo de o fazer. Nemo tem de encontrar o seu caminho – a sua vocação – mesmo que o pai não entenda ou se recuse a aceitar que a vida, para ser vivida, implica sempre arriscar. Nemo vai para longe, perde-se, encontra dificuldades. A sua procura por um caminho de realização pessoal leva-o a viver perigos imensos. Por seu lado, também o pai, apesar da idade, empreende um caminho de descoberta vocacional. Ao fim de tanto tempo, finalmente, o pai de Nemo vai percorrendo um caminho de realização pessoal enquanto pai! No final da história, pai e filho reencontram-se. A felicidade é imensa, não porque um se submete ao modo de vida do outro, mas porque o amor vence sempre e ambos percebem que cada um, para ser feliz, tem de viver o seu caminho. Desta vez, sem ruptura de relação, o Nemo e o pai percorrem um caminho juntos, um caminho de regresso, mas cheio de descoberta e de novidade. Nada será como antes, não porque um deles assim decidiu, mas porque ambos assim o desejam para uma vida realizada, plena e feliz.

Quando revejo esta história, penso nas dificuldades dos primeiros passos para a descoberta do caminho vocacional. Tudo parece tão difícil! Tudo parece tão impossível! E, como Nemo, na ânsia de fazer valer os nossos desejos e sonhos, cometemos tantos erros! Contudo, todo este percurso já faz parte da nossa procura interior pelo “caminho certo” da nossa vocação.

À procura!

A procura que empreendemos, fruto do nosso desejo de viver a plenitude da vocação, implica sempre (pelo menos para evitar as asneiras de Nemo) um tempo de discernimento. Este discernimento, ao contrário do que muitas vezes desejaríamos, não pode ser feito sozinho. Não é por acaso que a nossa vida se pauta por uma pluralidade de relações. Não existem super-heróis quando se fala de “vida real”! A humildade de perceber que não se é auto-suficiente é o primeiro sinal de maturidade e o primeiro passo para um discernimento que se quer que seja revelador do “mais” que queremos viver, para a nossa plena realização pessoal.

O primeiro discernimento é o de perceber quem poderá melhor acompanhar-nos. Sobre esta procura e sobre o discernimento vocacional, alerta o Papa Francisco que «nesta busca, deve-se privilegiar a linguagem da proximidade, a linguagem do amor desinteressado, relacional e existencial que toca o coração, atinge a vida, desperta esperança e anseios. É necessário aproximar-se da gramática do amor» (exortação apostólica Cristo Vive, n.º 211). Convém que seja alguém que conheça e ame o caminho que pensamos ser o nosso e que, simultaneamente, seja capaz de caminhar connosco para ver se o que desejamos não faz parte apenas de caprichos ou ilusões que criamos (por vezes inconscientemente). Se assim for, permanecer neste caminho trará apenas o vazio à nossa vida, nunca a plenitude. O discernimento vocacional, porque é um caminho acompanhado, permite-nos ter a confiança de que quem nos ajuda estará à altura de nos fazer ver outros caminhos que devemos conhecer e discernir para que a nossa vida seja verdadeira vida e não um mar de ilusões ocas e sem sentido.

Crescer para dar fruto

Hoje, podemos perguntar-nos de que é que estamos à procura e quais os passos que estamos a dar para um discernimento vocacional sério, capaz de vencer os desafios do “mar de dificuldades” que temos diante de nós e nos fazer viver, em plenitude, uma vida realizada e feliz. Se, a este questionamento, nos deparamos com um vazio de respostas, então, a nossa vida está estagnada, às voltas numa rotunda imparável da qual nos recusamos (temos medo!) a sair. Engana-se quem atribuiu o estado de estagnação a outros. Pensemos no pequeno Nemo: não podia viver mais vigiado pelo pai, não podia estar mais acorrentado às vontades de outros. Porém, ele não desiste e procura o seu caminho. Da nossa parte, temos uma cabeça maior do que a do Nemo e sabemos que a radicalidade desesperante do pequeno peixe em nada o ajuda. O crescimento na vida e discernimento vocacional implica libertar-se das amarras, mas também, fazê-lo com maturidade e com a segurança de não se lançar no “mar” sozinho. Crescer implica, portanto, algo mais do que “ter altura” ou “ter a maioridade”. Crescer significa viver um desabrochar capaz de frutificar. Um crescimento que não venha a dar fruto, isto é, que não atinja uma realização capaz de ser dom para todos, é um crescimento estéril. É uma vida de zombies em que não se vive verdadeiramente, antes vagueia-se sem destino, sem possibilidade de ser vida para os outros, sem a possibilidade de percorrer um caminho maduro e feliz com aqueles que mais amamos. Para aqueles que nos amam, a nossa felicidade é tudo e esta só pode ser abraçada vencendo as barreiras do medo e lançando-se nos desafios da vocação.

Para trilhar um caminho vocacional autêntico, há que «crescer na fraternidade, viver como irmãos, auxiliar-se mutuamente, criar comunidade, servir os outros, aproximar-se dos pobres» (exortação apostólica Cristo Vive, n.º 215). Não é fácil este crescimento vocacional. Na sociedade cada um puxa-nos para um determinado lado, na família a mesma coisa. Vemo-nos arrastados, ora para a direita ora para a esquerda, e ficamos perdidos, tontos e incapazes de ver/escolher/decidir um caminho a percorrer. O crescimento vocacional implica procurar um determinado ambiente em que seja possível crescer e fazer a nossa procura vocacional frutificar.

Procura e crescimento rumo a um caminho

Se permanecemos à deriva no mar, à mercê das redes sociais ou das vozes “lá de casa” ou dos amigos que não o são verdadeiramente, que caminho poderemos trilhar? Que frutos poderemos produzir? Que realização pessoal poderemos alcançar?

Como uma planta que precisa de determinado ambiente para crescer e dar fruto, também nós precisamos de procurar os ambientes que nos ajudem a este crescimento pessoal. Não haverá dano maior se nos enganarmos. De facto, se formos por ambientes que nos atrofiem, certamente teremos noção disso e, claro está, teremos ajuda para partir rumo a paragens que nos tornem possível um crescimento sólido, responsável e maduro.

Crescer é sempre um desafio. Nunca é fácil! A procura de um caminho implica ousar enfrentar as dores do crescimento e vencer as barreiras de protecção que, de um ou de outro modo, são colocadas à nossa volta. Discernir, com responsabilidade, os caminhos da vocação é ousar optar por um crescimento saudável, duradouro e feliz. Sem esta ousadia, a vida sem rumo torna-se sem sentido, sem sabor e sem esperança de futuro.

QUERO APOIAR

 

alem-mar_apoio

Partilhar
---
EDIÇÃO
Novembro 2019 - nº 698
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.