Artigos
23 novembro 2019

Dignidade para todos

Tempo de leitura: 9 min
Embora menos pessoas vivam em situação de pobreza extrema, quase metade da população mundial (3,4 mil milhões de pessoas) ainda luta para satisfazer as necessidades básicas. A percentagem da população mundial que vive em pobreza está em queda, mas o ritmo dessa redução está a diminuir.
Carlos Reis
Jornalista
---

Quase mil milhões de pessoas saíram da pobreza nos últimos vinte e cinco anos, em reflexo da liderança política, do desenvolvimento económico inclusivo e da cooperação internacional. Ainda assim, na actualidade, mais de 800 milhões de pessoas vivem em pobreza extrema no mundo. Muitas vivem em situações de conflito e crise, sofrendo efeitos do desemprego, da insegurança, da desigualdade e das consequências das alterações climáticas. Encontram barreiras no acesso à saúde, à educação e a oportunidades de emprego, o que as impede de beneficiarem de desenvolvimento económico mais amplo. As mulheres são afectadas de forma desproporcional por essas circunstâncias.

Os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável 2015-2030 prevêem erradicar a pobreza em todas as suas formas e dimensões, o que «ainda é um dos maiores desafios globais e uma prioridade das Nações Unidas», concede o secretário-geral das Nações Unidas, que lembra que «acabar com a pobreza não é uma questão de caridade, mas de justiça», já que há uma conexão fundamental entre erradicar a pobreza extrema e sustentar os direitos iguais de todas as pessoas. António Guterres defende «uma globalização justa com oportunidades para todas as pessoas, que garanta o rápido desenvolvimento tecnológico e impulsione os esforços de erradicação da pobreza». O desafio é assegurar um planeta mais saudável e construir sociedades pacíficas e inclusivas para assegurar vidas dignas para todos.

Partilhar
Tags
Artigos
---
EDIÇÃO
Dezembro 2019 - nº 697
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.