Artigos
26 janeiro 2020

Crianças detidas: Privação da infância

Tempo de leitura: 9 min
Mais de sete milhões de crianças e jovens até aos 18 anos estão detidos em todo o mundo. Cerca de 330 mil menores vivem em centros de detenção para migrantes. Em muitos Estados, simplesmente saem do radar uma vez internados em instituições.
Carlos Reis
Jornalista
---

«Eu sou jovem demais para sofrer assim. Comecei muito cedo a chorar, a ter medo e a sentir-me desprotegido. Espero sair rapidamente deste lugar, porque aqui o tempo é “circular”, não faz sentido, nada muda e estou a perder uma energia valiosa. Não posso perder mais tempo, tenho de construir um futuro», relata a parlamentares do Conselho da Europa um jovem de 15 anos, detido num centro de detenção de migrantes. À sua semelhança, mais de sete milhões de crianças e jovens até aos 18 anos estão detidos em todo o mundo, revela o estudo Global Study on Children Deprived of Liberty 2019, promovido pelas Nações Unidas. Uma das principais conclusões do documento é que as crianças privadas de liberdade são invisíveis para uma grande maioria da sociedade e que a realidade destes menores constitui uma grave violação da Convenção sobre os Direitos da Criança.

O relatório realça ainda que as crianças privadas de liberdade pertencem a um dos grupos mais vulneráveis, discriminados, excluídos e esquecidos da sociedade contemporânea. «A privação de liberdade de crianças significa essencialmente a privação da sua infância», sublinha Manfred Nowak, perito independente das Nações Unidas e principal autor do estudo global.

Partilhar
Tags
Artigos
---
EDIÇÃO
Abril 2020 - nº 701
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.