Artigos
18 fevereiro 2021

Milagres quotidianos

Tempo de leitura: 10 min
No Centro Loreto, em Rumbek, Sudão do Sul, além de uma formação de qualidade, fornece-se aos estudantes a alimentação, assegurando, assim, dois direitos básicos que devem ser garantidos a todas as crianças do mundo.
Redacção
---

As circunstâncias não poderiam ser mais complicadas para a nação mais jovem do mundo, independente desde 2011. A população continua a sofrer as consequências da guerra civil iniciada em 2013: há fome e faltam escolas, professores qualificados e material didáctico.

E este país corre o risco de não ter futuro precisamente pelas grandes deficiências do seu sistema educativo. Menos de um terço da população é escolarizada (27%) e apenas 16% das mulheres sabem ler e escrever. Apenas 5% dos jovens, segundo os dados de 2017, se inscreveram no ensino secundário. O baixo número de jovens inscritos nas escolas tem efeitos profundamente negativos para o futuro económico e social do país. Isso é claramente demonstrado pelo baixo número de trabalhadores sul-sudaneses qualificados e formados em sectores como a hotelaria, construção civil ou contabilidade.

Partilhar
---
EDIÇÃO
Março 2021 - nº 711
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.