Sala de convívio
19 agosto 2019

Cheiros perdidos

Tempo de leitura: 4 min
Eu ia cheia de pressa, o tempo para as compras era pouco, a disposição não era das melhores, mas a voz da mulher na banca da fruta fez-me parar de repente. «Olhe as minhas maçãs, freguesa! Olhe que até cheiram e sabem a maçã!»
Alice Vieira
Escritora
---

Sorrio, olho o vermelho da casca e acabo por sucumbir à tentação, qual Branca de Neve diante da malvada madrasta.

E dou comigo a pensar no tempo em que as coisas cheiravam àquilo que eram, em que as maçãs cheiravam a maçãs, os morangos enchiam de perfume as nossas casas, o pão sabia apenas a pão, e o soalho da nossa casa tinha um honesto e lavado cheiro a sabão.

Partilhar
---
EDIÇÃO
Setembro 2019 - nº 577
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.