Artigos
25 novembro 2021

Os mais pequenos são mestres

Tempo de leitura: 6 min
A Ir. Loreta conta-nos algumas experiências da sua vida missionária, que lhe permitiram crescer como pessoa, cristã e missionária.
Ir. Loreta Beccia
Missionária comboniana
---
A irmã Loreta Beccia com um grupo de jovens no Equador (© Cortesia da Ir. Loreta Beccia)

 

Sou uma missionária comboniana italiana e aterrei há poucas semanas na República Democrática do Congo, no coração de um continente completamente desconhecido para mim. É a minha primeira vez em África e estou ansiosa por descobrir o que esta terra guarda para mim e as maravilhas que o Senhor me está a preparar.

Antes de pôr os pés neste abençoado solo africano, e apesar de ter apenas 35 anos, o Senhor permitiu-me ter muitas experiências interessantes, tanto na Europa como na América Latina. Em cada um dos lugares onde estive, sempre descobri que o Senhor me tinha precedido e preparado o caminho, porque Ele organiza sempre tudo para que os Seus filhos e filhas possam crescer e amadurecer.

Na minha vida missionária estou consciente de que a herança que São Daniel Comboni me deixou é preciosa e que, como sua filha, tenho uma grande responsabilidade. É por isso que tento viver a minha vida missionária com os olhos e o coração sempre abertos para deixar a Palavra de Deus, encarnada nas realidades e nas pessoas que encontro, transformar-me e ajudar-me a ser melhor, santa e capaz, como Comboni queria que fossem os seus missionários.

Partilhar a vida

Agradeço a Deus pelos muitos dons que recebi, especialmente pelas pessoas que conheci, pelas histórias que ouvi e pelas vidas que partilhei. Sempre quis aprender com os mais pequenos, por isso, lembro-me como de um tesouro os nomes e encontros com algumas das crianças e jovens do meu tempo no Equador.

Por exemplo, Thiago, 6 anos de idade, que me ensinou como o amor transforma tudo. Este menino, abandonado pelo seu pai e sem experimentar o amor da sua mãe, era violento com as outras crianças, de modo que todos o isolavam. Mas que culpa tem uma criança tão pequena? Quando comecei a conhecer a sua história, a trabalhar com a sua família e a transmitir-lhe o amor que eu tinha experimentado na minha família, ele começou a mudar. Qual foi a principal mudança? A sua mãe, pouco a pouco, descobriu que o Thiago era um presente de Deus e começou a amá-lo.

 

Pag44_A

A irmã Loreta Beccia com uma menina na RD do Congo (© Cortesia da Ir. Loreta Beccia)

 

Outro nome na minha vida é Marcelo. Este rapaz equatoriano de 17 anos viveu com raiva e violência em resposta a uma existência cheia de dor, julgamentos, rejeição e abandono. Conhecemo-nos e a sua vida mudou a minha. Queriam expulsá-lo da escola por ter cometido um acto violento. Naquele momento lembrei-me de Comboni, que disse: «Temos de estar do lado dos últimos, dos mais necessitados e abandonados, esta é a nossa missão!» Por isso, defendi-o e disse aos responsáveis da escola que se o expulsassem, teriam de me expulsar também como professora. Começámos, então, a fazer uma viagem juntos; ele deixou-se ajudar, começou a acreditar em si próprio e nas suas capacidades. Teve a força e a coragem de deixar o velho Marcelo para que o Marcelo renovado pudesse ressuscitar. Queria jogar futebol profissionalmente, mas hoje está a estudar para ser assistente social. Sabem porquê? Um dia, disse-me: «Sei o que significa cair num buraco profundo, mas também sei o que significa encontrar uma mão estendida para me ajudar a sair. Hoje, graças a esta experiência, posso ajudar outros jovens!» As suas palavras causaram-me arrepios. Tal como disse que era necessário «salvar a África com a África», hoje Comboni não hesitaria em afirmar a necessidade de «salvar os jovens com os jovens!». Nada é impossível para Deus.

Aprender com os pequenos

Eu poderia continuar a dizer-vos o que aprendi com Ariel, com Arlette... com as comunidades indígenas e afro-descendentes, que lutam porque acreditam que o mundo pode ser melhor. Quantas famílias vulneráveis, mães solteiras, crianças e jovens vítimas de abusos e maltratados me ensinaram o valor de um sorriso, de um abraço, de uma palavra de encorajamento, em suma, o valor da vida! Graças a eles, aprendi que se é missionário quando se está ao seu lado, quando se caminha com os outros, quando se ama e se deixa amar, quando há paixão e, apesar das dificuldades, continuar a sonhar para realizar o grande projecto de Deus que é a felicidade e a vida abundante para todos.

Passei a minha última etapa no Equador com 2500 estudantes com idades compreendidas entre os 3 e 17 anos. Àqueles que dizem que as crianças e os jovens não têm nada a ensinar aos adultos e à sociedade, eu digo que estão enganados. Foram os meus grandes professores, ensinaram-me que a vida é um dom precioso e que ninguém tem de a desperdiçar ou espezinhar; que a vida vale a pena até ao fim, nas alegrias e nas dificuldades, porque tudo nos ajuda a ser pessoa, a sentir o que os outros sentem, e também a amar sem medida.

Sei que nesta etapa congolesa, que estou a iniciar, o Senhor me dará mais do que posso oferecer: sorrisos, abraços, amizade, confiança... Por isso não há nada a temer. Seja feita a Sua vontade!   

QUERO APOIAR

 

 alem-mar_apoio

 

Partilhar
---
EDIÇÃO
Novembro 2021 - nº 717
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.