Opinião
25 dezembro 2020

A força de um encontro

Tempo de leitura: 3 min
De Jerusalém a Emaús, um encontro vivido por muitos outros!
Fernando Domingues
Missionário Comboniano
---

A experiência extraordinária de caminho partilhado e de descoberta que fizeram os dois discípulos de Jesus durante a viagem de Jerusalém para Emaús (Lc 24) é algo em que se reconhecem muitas e muitos seguidores de Cristo ao longo dos tempos.

Essa experiência de sentir que Jesus se aproxima para caminhar connosco e nos abre os olhos da alma de tal maneira que a Palavra de Deus se torna a luz que ilumina a nossa maneira de caminhar na vida, é essa experiência que nos faz aderir à fé e à vida cristã. Cada um de nós pode dizer com toda a verdade: «Ele está vivo, eu encontrei-o!»

A força missionária desse encontro é evidente logo a partir das primeiras pessoas a quem Jesus se manifestou no dia da sua ressurreição. Maria Madalena e a outra Maria, a quem ele apareceu no jardim onde o tinham sepultado três dias antes, ouviram da sua própria boca as palavras: «Não tenhais medo. Ide dizer aos meus discípulos…» (Mt 28,10).

Sempre que Jesus aparecia, ressuscitado, a um discípulo, ou a um novo grupo deles, o encontro terminava sempre com um envio, e com uma promessa segura: «E eu estarei convosco todos os dias» (Mt 28,20).

Não admira que o Papa Francisco continue a insistir que os cristãos, se querem mesmo viver como verdadeiros discípulos de Jesus, têm de ser pessoas, comunidades, sempre em saída. Onde quer que vivamos a nossa fé, isto é, onde quer que caminhemos na companhia de Jesus, move-nos sempre o desejo de ajudar outras pessoas a descobrir esta Sua presença sempre nova que nos transforma a vida e nos aponta novas metas, nas situações em que vivemos.

O anúncio missionário do evangelho de Jesus Cristo começa sempre com um «Ele está vivo, eu encontrei-o!». E quanto mais autêntico e intenso é o encontro com Ele, mais profundo é o desejo de o partilhar com os outros.

No nosso país, como em muitos outros contextos do nosso continente europeu, cada vez mais as pessoas se tornam cristãs pela sua própria decisão e escolha, e não simplesmente porque se nasceu num ambiente cristão. E ouso dizer que, mesmo quem nasceu numa família cristã e recebeu o baptismo em criança, quando cresce e começa a tomar as suas próprias decisões para a vida que quer viver, precisa de fazer essa mesma experiência dos discípulos de Emaús: sentir a presença de Jesus que caminha connosco e nos abre os olhos para olhar para a realidade com o Seu olhar, com os seus valores e as suas prioridades.

É sempre pela mesma experiência de encontro com Jesus ressuscitado que cada vez que celebramos juntos a Eucaristia ouvimos dizer ao fim: Ide … e o Senhor vos acompanhe!

E mesmo o Natal, que festejamos cada ano, é muito mais do que uma festa para crianças, recheada de tradições e sonhos inocentes; a verdade é que celebrar o Natal é mais uma maneira de encontrarmos a Deus que caminha connosco, na simplicidade de uma criança! 

QUERO APOIAR

 

 alem-mar_apoio

Partilhar
---
EDIÇÃO
Abril 2021 - nº 712
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.