Valores
26 novembro 2021

Os missionários permanecem

Tempo de leitura: 3 min
«Não tenho estofo de herói, longe disso! Se optei por ficar, foi porque o Senhor me inspirou esse gesto, que se revelou muito benéfico para estes meus irmãos: um gesto de comunhão.»
Mateus Bijóias
---

A opção do padre Carlos Neves Sobrinho de permanecer na missão em tempo de guerra sensibilizou-me profundamente. Ele estava no ex-Zaire, atual República Democrática do Congo, quando a guerra destruía as aldeias, matava milhares de pessoas, obrigava os missionários a abandonar o país e saqueava as missões. Mas o P.e Carlos decidiu ficar, como sinal e apelo para a paz, que é dom de Deus, que é afetuosa e dá felicidade.

Permanecer na missão foi para este missionário comboniano do Coração de Jesus continuar o trabalho de congregar, animar e fortalecer os cristãos, resistir às dificuldades e aos perigos, ficar até às últimas consequências.

Partilhar
---
EDIÇÃO
Julho 2022 - nº 609
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.