Sala de convívio
24 junho 2024

Lingua ignota

Tempo de leitura: 2 min
A monja beneditina alemã Hildegarda de Bingen (1098-1179) a primeira pessoa a inventar uma língua. Deu-lhe o nome de lingua ignota (língua desconhecida) e os objetivos parecem ter sido meramente religiosos e estéticos.
Hélder Guégués
---

Apesar dos milhares de línguas naturais que existem no mundo (já houve mais, porque vão desaparecendo com a morte dos seus falantes), há séculos que o homem sente necessidade de inventar línguas artificiais. Só nos séculos xvii e xviii, contaram-se por dezenas as tentativas de criar uma língua lógica universal que evitasse as diferenças semânticas e que ajudasse a chegar a conclusões indiscutíveis. Nas últimas décadas, as tentativas vieram quase todas pela mão de romancistas e realizadores de cinema em sagas fantásticas, que por vezes contrataram ideolinguistas, que são pessoas que inventam línguas artificiais. Assim, o klingon, inventado pelo linguista Marc Okrand para a série O Caminho das Estrelas (Star Trek), que é uma das mais conhecidas e populares, com traduções de obras de Shakespeare, dicionários e até obras originais, além de cursos (!) de línguas.

A pioneira, contudo, está bem lá atrás no tempo: foi a monja beneditina alemã Hildegarda de Bingen (1098-1179) a primeira pessoa a inventar uma língua, semelhante ao latim, para denominar tudo o que se conhecia então. Foi uma primeira tentativa, e menos sistemática, porque não passava de uma lista com mais de mil palavras. A autora parece não ter completado a tarefa, que deixou em dois manuscritos, 

Partilhar
---
EDIÇÃO
Julho 2024 - nº 630
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.