Sala de convívio
08 maio 2020

Rato escondido

Tempo de leitura: 3 min
Rato, em latim, é «mus». Ora, morcego, esse mamífero voador, foi buscar o nome ao latim mus (rato) e «caecus» (cego).
Hélder Guégués
---

Estamos todos – ou devíamos estar – em casa, única forma de escapar à pandemia que está a abalar o mundo. Ciclicamente, o mundo é fustigado com uma pandemia. As últimas três – MERS-CoV, SARS-Cov e SARS-CoV-2, esta última a causadora da covid-19 – tiveram como origem um animal que transmitiu o vírus ao Homem. A sequenciação do genoma do novo coronavírus (palavra de que já vimos aqui a etimologia) veio provar que é igual em 98% ao de um morcego. E, segundo o jornal britânico Daily Mail, os morcegos voltaram às bancas asiáticas e são vendidos livremente para consumo humano. É verdade que já a peste negra, que dizimou entre um terço e metade da população europeia no século xiv, veio do Oriente, se difundiu no Mediterrâneo e teve como origem as pulgas do rato, pulgas que continham a bactéria causadora da peste (Yersinia pestis). Mas a população não comia os ratos... Nos mercados asiáticos, estão à venda, para consumo humano, desde cães e gatos, por ali amontoados em gaiolas enferrujadas, até escorpiões, pangolins, ratos, morcegos... Este hábito, na China, pelo menos, é relativamente recente: entre 1958 e 1962, calcula-se que tenham morrido mais de 45 milhões de chineses por causa da fome. O hábito de recorrer a todo o tipo de animais selvagens como fonte de alimentação vem precisamente daí.

Onde está, afinal, o rato escondido? Rato, em latim, é mus. Ora, morcego, esse mamífero voador, foi buscar o nome ao latim mus (rato) e caecus (cego). Um morcego é então um rato cego. Bem, não é assim: a maioria vê tudo a preto-e-branco, mas algumas espécies têm uma visão até dez vezes superior à visão humana, e sobretudo orientam-se perfeitamente em ambientes escuros, graças ao que se designa por ecolocalização ou biossonar, um modo de orientação característico de certos animais, que emitem sons de alta frequência que produzem eco, identificando desse modo a forma e localização dos obstáculos.

Uma espécie de radar, digamos.

 

_________________________________________

Nestes tempos da covid-19, pedem-nos que fiquemos em casa para nos protegermos, cuidar de nós e dos nossos e ser solidários com a comunidade. Os Missionários Combonianos e as revistas Além-Mar e Audácia querem contribuir para que passe este período da melhor forma possível e, por isso, enquanto durar a quarentena, decidimos tornar de leitura livre todos os conteúdos das nossas publicações missionárias.

Partilhar
---
EDIÇÃO
Maio 2020 - nº 585
Faça a assinatura da Audácia. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.