Igreja
13 maio 2019

«Deixemos como legado a Jesus»

Tempo de leitura: 1 min
Em Fátima, o cardeal filipino Luis Antonio Tagle, arcebispo de Manila, questiona os ideais de sucesso da sociedade e apela aos baptizados a deixar como legado a pessoa de Jesus, a sua palavra, a sua presença, o seu amor pelos abandonados e pelos que sofrem
Redacção
---

D. Luis Antonio Tagle, arcebispo de Manila (Filipinas), presidiu hoje em Fátima à Missa conclusiva da peregrinação internacional do 13 de Maio, questionando os ideais de sucesso da sociedade, a que contrapôs as propostas cristãs.

«O nosso mundo de hoje tem imagens de uma vida “abençoada”: muito dinheiro, o último modelo de roupas, carros, perfumes e aparelhos eletrónicos, fama, influência, segurança. Estes não são desejos maus, mas Maria, nossa Mãe, faz-nos parar e fazer uma autoavaliação. Será que a fé ainda tem um lugar importante no nosso desejo de uma vida boa?», perguntou o cardeal filipino na homilia da Missa que reuniu milhares de pessoas, na Cova da Iria.

O também presidente da confederação internacional da Cáritas falou na “bênção do chamamento de Deus”, que deve inspirar todos os discípulos de Jesus, na sua vida. «O legado que deixaremos não será apenas sucesso, conquistas, estabilidade financeira e boa reputação, mas deixaremos como legado a pessoa de Jesus, a sua palavra, a sua presença, o seu amor pelos abandonados e pelos que sofrem, a sua solidariedade com os famintos, os sedentos, os despidos, os sem-abrigo, os estrangeiros e os prisioneiros”.

A peregrinação internacional de Maio, que decorre 102 anos após a primeira aparição na Cova da Iria e dois anos após a visita do Papa Francisco, tem como tema Dar graças por peregrinar em Igreja.

Partilhar
---
EDIÇÃO
Maio 2019
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.