Artigos
07 abril 2021

Construir pontes de paz, justiça e fraternidade

Tempo de leitura: 12 min
Três dias, três ideias diferentes, o mesmo objectivo. O Papa Francisco foi ao Iraque dizer que é preciso pôr fim à violência, pacificar a sociedade e reconstruir a alma do país. Uma peregrinação histórica à pátria dos três monoteísmos, que já começou a ter consequências.
António Marujo
---

A imagem do Aiatola Ali al-Sistani, líder espiritual dos xiitas, ao lado do Papa Francisco, não podia ser mais simbólica: um de negro, outro de branco, eles foram as vozes de um mesmo desejo: «Que o Iraque supere a violência, manifestando a esperança de que os cristãos vivam como todos os iraquianos, em segurança e na paz, e com pleno respeito pelos seus direitos constitucionais», expressava no final um comunicado do gabinete de Sistani.

Não houve declarações públicas nem sequer a assinatura de nenhum documento conjunto, como sucedeu há dois anos, com o líder da maior autoridade sunita, o outro ramo do islão. Nessa altura, em Abu Dhabi, Francisco e o xeque Al Tayyeb, imã de Al-Azhar (Cairo), assinaram o Documento sobre a Fraternidade Humana, que estaria depois na base da encíclica Fratelli Tutti (Todos irmãos), publicada pelo papa em Outubro. Mas o encontro com Sistani falou por si e ficaria como a imagem desta viagem única ao Iraque que decorreu entre 5 e 8 de Março.

Partilhar
Tags
Artigos
---
EDIÇÃO
Outubro 2021 - nº 716
Faça a assinatura da Além-Mar. Pode optar por recebê-la em casa e/ou ler o ePaper on-line.